Marcano, con un gol, lidera la victoria de un Oporto más líder

O espanhol fez o primeiro contra o Sporting, Leao igualou antes do intervalo e Brahimi fez o 2-1. Casillas salvou sua equipe com um salva aos 85 minutos.

O Porto deu um passo gigante em suas aspirações de conquistar o campeonato português depois de vencer o Sporting (2-1) em um jogo com muitas tensões às vezes. Graças a estes três pontos, a equipe de Casillas, que voltou a ser iniciadora, é colocada como líder com oito pontos de vantagem sobre o Sporting e a mesma distância com o Benfica, que no sábado recebe o Marítimo e pode reduzir as distâncias.

O encontro tinha praticamente tudo: objetivos, controvérsia, tangana … As duas equipes conheciam a importância do resultado final e começaram com grande respeito. Talvez demais. Portanto, durante a primeira meia, quase nada aconteceu. O destaque veio com o uso de VAR. Doumbia caiu na área do Porto e o árbitro, dois minutos depois, decidiu usar a tecnologia. Depois de ver o jogo repetido, ele não apontou uma penalidade antes da raiva dos jogadores esportivos. E pouco depois, o primeiro gol veio do Porto. Um movimento estratégico que o espanhol Marcano finalmente assentiu esplêndido para ultrapassar sua equipe. Tudo estava indo para o Porto. Ele mesmo viu como Doumbia, o mais perigoso do Sporting, teve que se aposentar ferido antes do intervalo. Em vez disso, veio o jovem Leao, que dois minutos depois fez o sorteio em um contador rápido batendo Casillas abaixo das pernas.

Com esse 1-1 veio o intervalo e, logo após o início do segundo semestre, Brahimi ultrapassou o Porto em seu sétimo gol nesta temporada na liga. O argelino aproveitou um centro lateral da direita para definir com a esquerda. Falta 40 minutos e a tensão começou. Especialmente em uma peça na qual Coentrao, com a pressa de decolar, empurrou uma da maca. Isso causou uma tangana que finalmente não era maior, mas parou o ritmo de um jogo que já estava tenso. Sporting foi no ataque em busca de um empate necessário, mas não poderia ser. Casillas, no trecho final, aproveitou uma clara oportunidade que poderia significar 2-2, mas o choque terminou com a vitória do Porto e uma vantagem que, com nove jogos até o final do campeonato, o aproxima do objetivo.

Sporting honra Quini

Um objetivo de Rubén García significa que o Sporting pode dedicar uma vitória ao Quini. Sevilla Atlético cada vez mais perto do abismo.

O Sporting conseguiu o seu duplo gol em Sevilha neste dia: conseguir a sua primeira vitória fora de casa depois de cinco meses e honrar a memória de sua lenda Enrique Castro, “Quini”, que morreu esta semana. Um gol de Rubén García na primeira parte ajudou os rojiblancos a conquistar a vitória no campo de fundo. O Atlético de Sevilha levantou-se para a equipe das Astúrias, mas acabou com o perigo no gol de Mariño.

A reunião foi ruim. Pequeno jogo e menos ocasiões. O forte vento e chuva derrubaram o show que poderia ter oferecido as duas equipes em um jogo cheio de emoção para o Sporting. Seus jogadores levantaram os braços e apontaram para o céu em uma dedicação coral do objetivo que concluiu com seu autor vestindo a camisola que todos vestiam ao saltar para o campo. “Always Quini” pode ser lido impresso.

Precisamente, o objetivo foi talvez a melhor ação do jogo com o passe interno de Carmona para Calavera que contou com a colaboração do guarda-redes do Sevilha, Ondoa, e sua defesa, que não cobriu o atraso do lado catalão. Por aí, quase na ponta mais distante, Rubén García pareceu marcar com prazer.

O Sporting foi superior e tomou a iniciativa no primeiro semestre. No segundo, aproveitando o forte vento a favor e que a equipe de Baraja deu um passo atrás, talvez causada por essas más condições meteorológicas, a subsidiária do Sevilha chegou à área de visita, mas apenas forçou Mariño a trabalhar em profundidade quase no final da temporada. encontro

Nesses momentos finais, já no tempo adicionado, a defesa desportiva, Álex Pérez sofreu um forte golpe em uma colisão e teve que deixar o campo de jogo em uma maca. O Sporting tocou os últimos minutos em inferioridade numérica, mas o partido foi consumido sem mais e levou os três pontos que retornaram a ele para se localizar na zona de jogo fora da ascensão.